top of page

Brabas do Corinthians e Ferroviária Empatam em Confronto Equilibrado e Marcado por Decisões Táticas Controversas

O jogo entre as Brabas e seu adversário iniciou em um horário que levantou muitas críticas entre os torcedores. Com início às 19 horas de uma segunda-feira em São Paulo, o horário não poderia ser pior para atrair o público. O contexto do dia da semana e o horário de início não favoreceram a presença massiva dos torcedores no estádio, resultando em arquibancadas vazias e um ambiente morno para o espetáculo esportivo. Apesar disso, mesmo com o atraso, o público conseguiu comparecer em bom número, demonstrando o comprometimento e a paixão dos torcedores pelas Brabas.


1° Tempo: Equilíbrio e Desafios Táticos


O jogo teve um início promissor para as Brabas, que exerceram uma pressão intensa nos primeiros minutos, resultando em duas oportunidades de gol. Entretanto, após uma parada prolongada devido a um atendimento médico, a Ferroviária equilibrou as ações e dificultou a saída de bola das Brabas.

Ao longo da primeira etapa, ambos os times alternaram momentos de domínio, com o Corinthians buscando trabalhar a bola e explorar espaços, enquanto a Ferroviária demonstrou solidez defensiva e eficiência tática. Destaca-se a atuação de jogadoras como Isabela, Mariza e Ju Ferreira, que se destacaram na defesa e na tentativa de organização do jogo.

No entanto, as Brabas enfrentaram dificuldades em penetrar na defesa adversária, principalmente devido à forte marcação imposta pela Ferroviária. O posicionamento questionável de algumas jogadoras, como Vic Albuquerque, e as decisões táticas do técnico Lucas Piccinato foram pontos de crítica, refletindo-se em um desempenho abaixo do esperado.


2° Tempo: Raça e Desafios Técnicos


A segunda etapa começou com ambas as equipes buscando o gol, mantendo um ritmo intenso de jogo. Com a entrada de Duda Sampaio, as Brabas mostraram-se mais ofensivas e criaram oportunidades, porém, pecaram nas finalizações e tomadas de decisões erradas.

A pressão exercida pelas Brabas resultou em diversos cruzamentos e tentativas de gol, mas a falta de eficiência e a precipitação nas jogadas impediram a concretização das oportunidades. A Ferroviária, por sua vez, manteve-se sólida defensivamente e soube neutralizar as investidas adversárias.

O empate em 0x0 reflete não apenas a igualdade no placar, mas também a falta de efetividade de ambas as equipes no último terço do campo. Enquanto as Brabas demonstraram raça e determinação, careceram de organização tática e precisão nas finalizações. Por outro lado, a Ferroviária mostrou-se bem treinada e disciplinada taticamente, dificultando as ações ofensivas das adversárias.


Conclusão: Desafios à Vista


O jogo entre as Brabas e a Ferroviária evidenciou não apenas a qualidade das equipes, mas também os desafios enfrentados pelo futebol feminino. A falta de planejamento tático e as decisões controversas durante a partida destacam a necessidade de uma análise mais aprofundada por parte da comissão técnica e da diretoria das Brabas.

É fundamental que o time aproveite esse momento de transição para ajustar suas estratégias e valorizar as características individuais de suas jogadoras. Com um melhor planejamento e uma abordagem tática mais eficaz, as Brabas têm potencial para alcançar resultados mais expressivos no campeonato.

Enquanto aguardamos notícias sobre a situação de Jaqueline, é importante reconhecer o esforço e a dedicação das jogadoras, que mesmo diante dos desafios, demonstraram comprometimento e paixão pelo esporte.


Avaliação Individual


Kemelly (24): Segura no campo, fez boas defesas quando necessárias. Manteve a consistência ao longo da partida.

Isabela (6): Precisa e participativa na defesa, mas teve dificuldades em contribuir no ataque. Demonstrou segurança em sua atuação.

Erika (99): Atuou como a zagueira de destaque, demonstrando autoridade e liderança na defesa.

Mariza (20): Participativa e necessária em várias ocasiões, demonstrando consistência ao longo do jogo.

Yasmim (71): Lutou na defesa e tentou contribuir no ataque, mas teve dificuldades em encontrar espaço.

Ju Ferreira (28): Fez bem o seu papel, mas sua substituição evidenciou a necessidade de mais qualidade no passe.

Duda Sampaio (27): Entrou no segundo tempo, porém, sua contribuição foi limitada e pouco eficiente.

Yaya (8): Demonstrou raça e participação em ambos os tempos, mas muitas vezes encontrou-se isolada no meio de campo.

Vic Albuquerque (17): Atuação apagada, não favorecendo suas habilidades posicionada no meio da defesa.

Millene (14): Teve poucas oportunidades de demonstrar sua qualidade.

Gabi Portilho (18): Esforçou-se, mas teve dificuldades em lidar com a forte marcação adversária.

Tamires (37): Precisava utilizar sua velocidade, porém, não conseguiu se destacar.

Jaqueline (30): Entrou e contribuiu com algumas jogadas de qualidade, porém, não teve oportunidades claras de gol.

Jheniffer (9): Teve poucas chances de se destacar, mas mostrou esforço em produzir no ataque.

Eudimilla (11): Entrou no final do jogo e teve uma boa jogada, mas não conseguiu finalizar com sucesso.

Técnico Lucas Piccinato: Demonstrou dificuldades em valorizar as características individuais das jogadoras e posicionar o time de maneira eficaz.

Comments


bottom of page